BUSCA
LIVRO: DESEMBARGADOR DR. VOLTAIRE DE LIMA MORAES (ORG). Temas de Ciências Criminais
Dr. Frederico Cattani contribui com o capítulo 'Lavagem de Dinheiro'
Terça-feira, 04 de Setembro de 2018

Cultura reativa

É difícil iniciar uma cultura preventiva e de políticas de conformidades quando se acredita no mito do jeitinho brasileiro como solução.

Uma grande maioria de empresários e gestores públicos procrastinam debater áreas que lhe são sensíveis, negligenciando que possam ser afetados. Com isso, a manutenção da postura reativa é a realidade em larga escala, isto é, de agir conforme a urgência, lidando com os problemas conforme surgem e, muitas das vezes, apagando incêndios que poderiam ter sido evitados.

Não existe justificativa para o desdobramento da omissão e da negligência, pois um incêndio consome a razão de ser do gestor, que perde sua razão de existir.

Existe um nicho de profissionais ofertando serviços pontualmente especializados, como os de coach, office compliance, consultor de investimentos, gestor de segurança, entre outros, sem esquecer da advocacia consultiva e dos profissionais da contabilidade, preenchendo espaços para colaborar e agregar na atividade econômica do empresário e no objeto da função pública. Na verdade, o mundo moderno é favorável para aqueles que estão conscientes de suas necessidades e buscam sua completude.

O empresário e o gestor público precisam mudar a sua postura reativa. É necessário usar de profissionais colaboradores altamente capacitados e instruídos na legislação brasileira. Por exemplo, a lei de combate à lavagem de dinheiro e a lei anticorrupção impõem a determinadas pessoas uma posição de obrigação de tomarem certas condutas em sua atividade, por isso, caso não haja uma cultura de conformidade capacitada para as exigências da lei, a consequência poderá ser uma penalidade pesada. 

O que deve ser observado é que tanto a cultura reativa, como a cultura preventiva sem base legal, não são mais o suficiente. Não basta ter somente uma consciência e um plano de combate a incêndio, é necessário que este plano esteja dentro das normas que possam lhe certificar regularidade e que exista água disponível no hidrante previsto no projeto. É insuficiente uma postura de querer fazer, se as regras do que deve ser feito não estiverem sendo atendidas. 

 


VOLTAR